Tribunal de Contas aprova, com ressalvas, contas de 2022 do governo de Ibaneis Rocha


No ano passado, GDF gastou R$ 304,9 milhões em serviços e fornecedores sem nenhum contrato ou papel oficial. Além disso, dinheiro destinado para programas prioritários não foi gasto em 2022, diz TCDF. Tribunal de Contas do DF (TCDF)
TV Globo/Reprodução
O Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) aprovou, com ressalvas, em sessão nesta quinta-feira (23), as contas do governador Ibaneis Rocha referentes ao ano 2022. A decisão foi tomada por unanimidade, nos termos do voto do relator, o conselheiro Renato Rainha.
✅ Clique aqui para seguir o novo canal do g1 DF no WhatsApp.
Ao todo, o TCDF apontou 15 ressalvas e fez uma determinação para que o Governo do Distrito Federal (GDF) solucione as falhas encontradas.
Um dos pontos de alerta do tribunal é o aumento dos gastos do governo sem nenhum contrato. Em 2022, os gastos com serviços e fornecedores sem contrato válido deram um salto e alcançaram os R$ 304,9 milhões. Em 2019, foram R$ 139,8 milhões, em 2020, foram R$ 76 milhões, e em 2021 foram R$ 183 milhões (veja gráfico abaixo). De acordo com o TCDF, estes tipos de pagamento sem formalização afrontam a Lei de Licitações e Contratos.
Dentro destes gastos sem contratos, a Secretarias de Saúde e de Educação foram as pastas que apresentaram as maiores despesas deste tipo principalmente em serviços de limpeza e vigilância. Confira abaixo os valores:
Secretaria de Saúde: R$ 188,6 milhões
Secretaria de Educação: R$ 115,2 milhões
“A ausência de cobertura contratual gera severo prejuízo à atuação governamental, à fiscalização a cargo do controle externo e, em última análise, à população do Distrito Federal”, aponta o relator da decisão, o conselheiro Renato Rainha, durante sessão no TCDF.
Agora, o documento segue para a Câmara Legislativa do DF (CLDF) , responsável pelo julgamento definitivo das contas.
Ressalvas
Além da realização de despesas sem cobertura contratual, veja abaixo outras ressalvas:
Baixa execução do orçamento alocado aos fundos especiais
Superestimativa nas receitas e despesas de capital
Deficiência na apuração e no alcance de metas e indicadores de desempenho dos programas governamentais
Inconsistência nos valores da dívida de precatórios judiciais do Distrito Federal
Incompatibilidade entre a arrecadação da dívida ativa e o estoque da dívida contabilizado
Ausência de metodologia para avaliar se tem sido bom para a população do DF a não entrada de R$ 6,6 bilhões em tributos nos cofres públicos distritais por conta dos incentivos e benefícios fiscais concedidos pelo GDF
Em relação aos recursos que não foram gastos de fundos especiais – definidos pela Constituição Federal e pela Lei Orgânica do DF –, o TCDF aponta que dos 35 fundos que receberam definição de gastos mínimos ao longo de 2022, 20 apresentaram baixa execução, não chegando nem à metade do valor. E cinco não tiveram nenhuma execução, veja abaixo quais são:
Fundo dos Direitos do Idoso do DF (FDI):
Fundo da Universidade do DF (FundDF)
Fundo de Desenvolvimento do DF (Fundefe)
Fundo de Habitação de Interesse Social do DF (Fundhis)
Fundo de Apoio à Pesquisa do DF (Fundap)
No relatório, os conselheiros do TCDF determinaram que o GDF tome as medidas necessárias para solucionar as ressalvas apontadas.
Leia mais notícias sobre a região no g1 DF.
Adicionar aos favoritos o Link permanente.