STF forma maioria para condenar moradora de São José dos Campos por atos golpistas no 8 de janeiro


Prazo para julgamento se encerra nesta sexta-feira (24) e já conta com seis votos a favor da condenação. Alethea Verusca Soares, de São José dos Campos (SP), participou da invasão em Brasília
Reprodução/Redes Sociais
O Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria nesta sexta-feira (24) para condenar a moradora de São José dos Campos (SP), Alethea Verusca Soares, por envolvimento nos atos golpistas do dia 8 de janeiro, em Brasília.
A proclamação do resultado da sessão virtual, com a sentença a ser cumprida por Alethea, deve ser publicada nos próximos dias.
✅ Clique aqui para seguir o novo canal do g1 Vale do Paraíba e região no WhatsApp
Relator do processo, o ministro Alexandre de Moraes votou a favor de uma condenação de 17 anos à moradora. Os ministros Dias Toffoli, Luiz Fux e Cármen Lúcia acompanharam Moraes.
Além deles, os ministros Cristiano Zanin e Edson Fachin também acompanharam o voto de Alexandre de Moraes, mas com ressalvas. Até a tarde desta sexta-feira, somente o ministro André Mendonça divergiu do relator.
Bolsonaristas radicais e golpistas invadiram e depredaram, no dia 8 de janeiro, o Congresso Nacional, o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Palácio do Planalto, sede da Presidência da República, em Brasília. Alethea participou do ato criminoso e chegou a ser presa.
O julgamento dela começou há uma semana, no plenário virtual. Alexandre de Moraes é o relator do processo e o prazo para os votos serem apresentados termina nesta sexta.
Alethea Verusca Soares foi denunciada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) pelos seguintes crimes:
abolição violenta do Estado Democrático de Direito;
dano qualificado;
golpe de Estado;
deterioração do patrimônio tombado;
associação criminosa.
Na sexta-feira passada, Moraes votou para que a ré cumpra 15 anos e seis meses de reclusão e um ano e seis meses de detenção, além de 100 dias-multa – cada dia multa tem o valor de um terço do salário-mínimo.
Ataques às sedes dos três poderes em Brasília, no dia 8 de janeiro
Divulgação/Ministério da Justiça e Segurança Pública
Na justificativa, o relator alega que Alethea aparece em diversas imagens dos atos antidemocráticos. Ele narra que um vídeo, inclusive, foi encontrado no celular dela com o título sugestivo de ‘tomada de poder’.
“Tem-se, portanto, robusto conjunto probatório a assegurar que Alethea Veruska Soares incorreu nos crimes descritos na denúncia”, cita Moraes no documento.
A moradora de São José foi presa nos ataques terroristas, mas teve a prisão revogada no dia 7 de agosto e foi solta.
Alethea Verusca Soares tem 49 anos e trabalha como cabelereira em São José dos Campos. Ela é moradora do bairro Jardim Paulista, região central da cidade.
Ela é a segunda moradora da região do Vale do Paraíba julgada pelo STF por participação nos atos. Ainda neste mês, Fabrício de Moura Gomes, empresário e morador de Ilhabela, foi condenado a 16 anos de prisão.
O g1 procurou a defesa de Alethea para se manifestar e, até a publicação desta reportagem, não obteve retorno.
Veja mais notícias do Vale do Paraíba e região bragantina
Adicionar aos favoritos o Link permanente.