Sistema de radar 24h por dia, vistoria em áreas de risco: Campinas anuncia ações para prevenir estragos da chuva


Sistema deverá enviar mensagem de texto para os celulares dos moradores inscritos no número da Defesa Civil. Grupo focado nas ações vai trabalhar com quatro níveis: observação, atenção, alerta e alerta máximo. Estragos provocados pelas chuvas em Campinas
EPTV
A Prefeitura de Campinas (SP) vai implantar um sistema de radar funcionando 24h por dia para prevenir estragos provocados pelas fortes chuvas. O sistema deverá enviar uma mensagem de texto para os celulares dos moradores inscritos no número da Defesa Civil, alertando sobre perigos.
📲 Participe do canal do g1 Campinas no WhatsApp
As medidas também incluem vistorias em áreas de risco, e o grupo focado nas ações vai trabalhar com quatro níveis: observação, atenção, alerta e alerta máximo. A Operação Chuvas de Verão começa nesta sexta-feira (1º) e segue até o dia 31 de março, com plantões de 24h, contando com 29 servidores.
De acordo com a Prefeitura de Campinas, por causa das fortes chuvas, várias secretarias ampliaram as equipes, principalmente a Assistência Social, que aumentou a distribuição de kits de ação de emergência, focando também em atividades de prevenção.
Um estudo da Confederação Nacional de Municípios mostra que, na última década, os últimos cinco anos foram períodos em que o estado de São Paulo mais registrou decretos de anormalidades, com pessoas desalojadas, desabrigadas e prejuízos por causa das chuvas.
Os dados apresentam um aumento de decretos de situação de emergência ou calamidade pública em cidades paulistas por causa de eventos climáticos. Entre 2013 e 2017, foram 532 decretos. Nos últimos cinco anos, 1.150. O número de pessoas desalojadas também aumentou 54% em comparação com os cinco anos anteriores.
“A área de Campinas costuma ter tempestades muito violentas. O fato de estar um pouco mais para o interior, um pouco mais afastada do litoral, dá uma condição de um pouco menos de umidade, dificulta um pouco mais o início das tempestades, mas quando essas tempestades se iniciam, elas acabam sendo mais violentas”, explica Marcelo Seluchi, coordenador-geral de Operação e Modelagem do Cemaden.
Situação de emergência em Campinas
Em janeiro deste ano, a Prefeitura de Campinas decretou situação de emergência por causa dos temporais que derrubaram árvores, imóveis e pontes, medida que não era tomada há 20 anos.
Para o coordenador-geral e diretor da Defesa Civil de Campinas, Sidnei Furtado, o ano de 2023 está marcado pelos extremos climáticos.
“Você tem uma temperatura de quase 40 graus, no outro dia você tem uma tempestade. A saúde não suporta isso, o enfrentamento a esses tipos de desastre é muito difícil. Então eu diria que esse é o grande desafio hoje das prefeituras. Elas terão que se adaptar, terão que se reformular nos atendimentos e cada vez mais ter estruturas de centros de operações de emergência dentro dos seus municípios”, conta Sidnei.
VÍDEOS: tudo sobre Campinas e região
Veja mais notícias da região no g1 Campinas.
Adicionar aos favoritos o Link permanente.