Polícia investiga sumiço de escultura de Elton John em exposição paralela do Salão Internacional de Humor de Piracicaba


Autora da obra, Fernanda Nepomuceno, registrou boletim de ocorrência sobre desaparecimento da escultura. Obra exposta na Biblioteca Municipal de Piracicaba desaparece e Polícia Civil investiga
Reprodução/Arquivo Pessoal/Fernanda Nepomuceno
A Polícia Civil de investiga o desaparecimento de escultura do cantor Elton John de uma exposição paralela do Salão Internacional de Humor de Piracicaba (SP) , feita pela artista da cidade, Fernanda Nepomuceno. O trabalho estava exposto na Biblioteca Municipal. A autora registrou boletim de ocorrência e, ao g1, disse estar muito triste pelo ocorrido.
“Estou arrasada”, lamentou à reportagem.
A obra integrava o acerva da exposição “Pamonhas, Ainda” na Biblioteca Municipal de Piracicaba, que teve visitação aberta ao público até o dia 29 de outubro deste ano. A autora relata que quando foi buscar o trabalho, no dia 22 de novembro, foi avisada sobre o sumiço da escultura.
“Participei de uma exposição de artes “Pamonhas” com três esculturas, a exposição acabou em outubro. Fui buscar hoje dia 22 de novembro meus trabalhos na Biblioteca e um deles o Elton John havia sido roubado, os responsáveis pelo espaço me mostraram foto e vídeo e disseram que estão tentando achar quem roubou”, relatou no boletim de ocorrência.
A escultura já participou de vários salões importantes de arte , inclusive o Salão Internacional de Humor.
Exposição “Pamonhas, Ainda”
Com muito orgulho de serem “Pamonhas, Ainda”, cartunistas, chargistas, quadrinistas, ilustradores e escultores de Piracicaba (SP), cidade berço do Salão Internacional de Humor, que chega a meio século de exposições ininterruptas, protagonizam a exposição paralela à mostra principal do evento, que ficou em cartaz até o dia 29 de outubro na Biblioteca Municipal do município. Veja mais detalhes, abaixo.

Mostra ‘Pamonhas, Ainda’
Alexandre Bragion/Arquivo pessoal
A mostra “Pamonhas, Ainda”, que tem no nome o quitute típico de Piracicaba, busca reunir o trabalho de 21 artistas gráficos piracicabanos de quem as trajetórias de vida e profissional, de alguma forma, se fundem com a do Salão Internacional de Humor.
Os trabalhos estão expostos na Biblioteca Pública Municipal de Piracicaba “Ricardo Ferraz de Arruda Pinto”, com entrada gratuita.
Fernanda Nepomuceno e familiares com obra selecionada para o 50º Salão Internacional de Humor de Piracicaba
Claudia Assencio/g1
De acordo com os organizadores da mostra, Erasmo Spadotto e Eduardo Grosso, a paralela resgata também a produção daqueles que participaram da fundação do Salão de Humor – como é o caso dos trabalhos de Fausto Longo – e de outros que entraram para a história do humor gráfico da cidade mas infelizmente já nos deixaram – como Edson Rontani, criador do célebre personagem Nho Quim.
📲 Receba no WhatsApp notícias da região de Piracicaba
“Não poderíamos deixar passar a data de aniversário de 50 anos do Salão sem presentearmos a cidade com essa paralela que reconta um pouco da trajetória de artistas piracicabanos da atualidade e da passado e que fizeram e fazem de Piracicaba uma das capitais do humor mundial” – afirma Erasmo Spadotto.
“Essa paralela nasce também como forma de celebrar a criação de um grupo de artistas que há vinte e três anos se reuniu para uma primeira paralela intitulada ‘Pamonhas de Piracicaba’ – e que agora retorna – sobrevivendo e resistindo ao tempo. Por isso o nome ‘Pamonhas, Ainda’. Sinal de que os tempos mudam, mas o humor se mantém firme e forte”, comenta Eduardo Grosso.
A artista plástica Fernanda Nepomuceno participa do Salão Internacional de Humor há cinco anos. Ela é uma das únicas mulheres piracicabanas participantes do evento, já foi premiada em edições anteriores e teve seu trabalho selecionado na categoria escultura nesta edição comemorativa de meio século.
Por muito tempo, ressalta a artista, o evento teve, predominantemente, participação masculina.
“Fico muito feliz de ser uma mulher, de representar a todas nós e de mostrar que também fazer parte do humor. Em outras mostras, como a de Belas Artes, por exemplo, é mais comum. Porém, no Salão, acredito ser a única piracicabana”, celebra a artista.
A artista afirma que o Salão é uma vitrine para o que acontece no mundo, com a crítica presente nas charges e cartuns sobre tudo o que os artistas que retratam. “É fantástico. Estou super feliz de ser uma ‘pamonha’”, brinca Fernanda.
Eduardo Grosso foi diretor do Salão Internacional de Humor de Piracicaba por mais de cinco edições da mostra
Claudia Assencio/g1
Para Fábio San Juan, o Salão de Humor é muito importante para a sua geração de cartunistas em Piracicaba.
“As oficinas que eram feitas no final de 1980 e 1990, em que vários artistas como Angeli, Laerte, Glauco, os da Revista Animal e tantos outros, ajudaram na nossa formação como profissionais, nos oferecendo referências, assim como a própria exposição do Salão, que abriga artistas do mundo todo e isso impacta no nosso trabalho”, relembra.
Érico San Juan durante exposição de obras na Fatec Piracicaba: ‘Caricaturas de salão’/ Foto de arquivo
Divulgação/Fatec/Arquivo
San Juan afirma que o grupo está motivado.
“Isso pode ser visto em nossos trabalhos, inclusive pela exposição dos Pamonhas ainda, que reúne esses trabalhos de cartunistas, ilustradores, quadrinistas que hoje trabalham no exterior, para Marvel, D.C, editoras europeias, por exemplo. Estamos muito motivados para continuar a mostrar o nosso trabalho”, completa.
Mostra ‘Pamonhas, Ainda’
Erasmo Spadotto/Arquivo pessoal
A trajetória profissional de Willian Hussar está ligada com a história do Salão de Humor. Desde 1993, comecei a participar do Salão e, desde então, sempre acompanhou e enviou trabalhos a quase, senão todas, as iniciativas do setor.
“A exposição dos ‘Pamonhas’ nasce com o compromisso de retomar uma atividade que existiu há quase 20 anos, que pretendemos que volte e se torne uma rotina a cada edição do Salão. Espero que esse grupo se fortaleça cada vez mais, essa é a ideia. Atualmente, aqui nos ‘Pamonhas’, temos artistas de segmentos diferentes. Há os de histórias em quadrinhos, do cartum, propriamente dito, escultores e ilustradores”, destaca.
O caricaturista e cartunista, Érico San Juan, demonstra o orgulho que sente em fazer parte de toda trajetória do Salão. O artista já foi jurado do evento por duas vezes e selecionado por sete edições.
“É um orgulho fazer parte da história do Salão de Humor de diversas formas, como artista selecionado, curador de mostras paralelas, jurado de seleção e/ou caricaturista ao vivo. Mas, fazer parte de uma geração que se impôs no Salão com mostras exclusivas reunindo somente artistas de Piracicaba é um privilégio. E que venham mais Pamonhas: tanto o puro creme do milho, quanto mais cartunistas que integrem esse movimento de amigos do traço da terrinha!”, celebra.
Alexandre Bragion também participa da mostra e ressalta a importância de se valorizar os artistas do humor gráfico que são de Piracicaba, berço do Salão.
VÍDEOS: Tudo sobre Piracicaba e região
Veja mais notícias da região no g1 Piracicaba

Adicionar aos favoritos o Link permanente.