Polícia do Rio abre investigação contra organizadora do show de Taylor Swift no Rio para apurar ‘crime de perigo para a vida ou saúde’


Durante a primeira noite de show, dia 17, uma fã morreu e outras passaram mal em meio ao forte calor. Ana Clara Benevides Machado, de 23 anos, cursava psicologia na Universidade Federal de Rondonópolis (UFR), em Mato Grosso
Reprodução/Instagram
A Polícia Civil do Rio abriu uma investigação contra a T4F, empresa que organizou os shows de Taylor Swift no Rio na semana passada. Durante a primeira noite de shows, dia 17, uma fã morreu e outras outras passaram mal em meio ao forte calor.
Segundo a polícia, “após tomar conhecimento de relatos do público presente no evento, a Delegacia do Consumidor (Decon) instaurou inquérito para apurar o crime de perigo para a vida ou saúde”.
Durante a primeira noite de apresentação, fãs fizeram críticas à organização do evento por impedir o acesso do público com garrafas d’água. A própria cantora chegou a interromper o show para pedir ajuda para fãs que passaram mal e chegou a dizer: ‘eles realmente precisam de água’. Com o país atravessando uma onda de calor, o Rio teve temperatura máxima de 39,1°C na noite de sexta.
Os organizadores do evento serão chamados para prestar depoimento e outras diligências estão em andamento para apurar os fatos.
Outras autoridades já tinham investigado a postura da empresa durante o show. O Ministério da Justiça, por exemplo, cobrou explicação sobre o fato de que garrafas d’água não eram permitidas na entrada.
Adicionar aos favoritos o Link permanente.