Pedreiro encontra larva em pacote de molho de tomate da Fugini: “achei que era pele de rato”

pedreiro-encontra-larva-em-pacote-de-molho-de-tomate-da-fugini:-“achei-que-era-pele-de-rato”

Ao preparar uma macarronada, o pedreiro Doriedson Martins, do Vale do Ribeira (SP), encontrou um pouco mais do que molho de tomate ao abrir uma embalagem do produto da marca Fugini. Dentro do pacote estavam larvas que ele descreveu como “corpo estranho”. O homem relatou ter pensado inicialmente, quando abriu o pacote de molho de tomate, que se tratava de “pele de rato cheia de larvas em volta.”

O incidente aconteceu no domingo (19) e ele postou nas redes sociais. O molho, adquirido em um mercado local, foi aberto no dia anterior, quando ele e sua filha o utilizaram para cozinhar macarrão. A preocupação do pedreiro aumentou quando ele explicou que o produto contaminado havia sido consumido.

Homem pensou ter encontrado pele de rato em molho de tomate da marca Fugini

Consumidor publicou “corpo estranho” encontrado em molho de tomate da marca Fugini. – Foto: Reprodução/ND

Fabricante do molho de tomate Fugini se manifestou sobre o incidente

Em resposta ao incidente, a Fugini Alimentos emitiu uma nota explicativa sugerindo que o ‘corpo estranho’ tinha características de bolor. Ainda detalhou que está em contato com o consumidor.

“A Fugini Alimentos reitera ainda que a produção, enchimento e fechamento das suas embalagens sachê de Molho de Tomate é totalmente automatizada. Por não conter conservantes e ser um produto totalmente natural, a entrada de ar pela danificação da embalagem pode causar a contaminação do produto e, consequentemente, o surgimento do bolor. Esse fato também pode ocorrer pelo armazenamento por período incorreto na geladeira. Após a abertura da embalagem, o consumo deve ser realizado em até um dia.”, disse a empresa na nota.

Além do molho de tomate, a empresa produz conservas vegetais e outros molhos como maionese e mostardas.

Fugini já teve atividades suspensas pela Anvisa e sócios indiciados por contaminação

Em março deste ano a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) fabricação, comercialização, distribuição e uso de alimentos da marca Fugini produzidos na unidade localizada em Monte Alto (SP). Uma inspeção sanitária identificou falhas graves relacionadas à higiene, controle de qualidade e segurança das matérias-primas, controle de pragas, rastreabilidade, entre outros.

A agência determinou ainda o recolhimento de lotes de maionese da Fugini, quando a própria empresa admitiu falhas e implementou medidas para garantir a qualidade e segurança de seus produtos. A empresa foi autorizada a voltar as operações em abril, quando a liberação foi possível, segundo a Anvisa, “após análise dos registros do controle de qualidade da empresa e a ausência de resultados insatisfatórios que representassem risco à saúde do consumidor”.

Incidentes com a Fugini já haviam ocorrido no Rio Grande do Sul

Incidentes que aconteceram no RS com produtos da marcar Fugini – Foto: Reprodução/ND

Já em junho deste ano, além da empresa, um funcionário responsável pelo controle técnico de qualidade dos produtos e dois sócios foram indiciados, pela Polícia Civil do Rio Grande do Sul, por crime contra a relação de consumo. Laudos do Instituto Geral de Perícia do Rio Grande do Sul apontaram contaminação por fungos e ovos de parasitas em amostras de molho de tomate da Fugini.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.