Entenda disputa sindical que bloqueou nove terminais de ônibus em SP e afetou mais de 500 mil passageiros


Ricardo Nunes (MDB), prefeito da capital, disse que a prática utilizada pelos sindicalistas é covarde com a população e classificou o grupo como sendo criminoso. Chapas divergem sobre formato da votação que irá definir novo presidente do SindMotoristas. Fila de ônibus nas imediações do terminal Dom Pedro II, no Centro de SP, por causa de ações políticas do Sindimotoristas.
Reprodução
Uma disputa política interna no Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo (SindMotoristas) foi parar nas ruas da capital. Sindicalistas bloquearam nove terminais e corredores exclusivos de ônibus. Mais de 500 mil passageiros foram prejudicados pelas manifestações realizadas pelas chapas 1, 2 e 3.
A categoria tem cerca de 45 mil filiados
30 mil votam até esta quarta-feira (22) para decidir quem será o novo presidente do sindicato
4 chapas fazem parte do processo eleitoral
As chapas 1, 2 e 3 questionam todo o processo: elas preferem votar de forma eletrônica
Já a chapa 4 escolheu seguir o estatuto, que diz que o voto tem que ser impresso
Às 14h desta terça-feira (21), uma fila de ônibus parou na Avenida Marquês de São Vicente, em frente ao Fórum Trabalhista, onde representantes do sindicato tentaram uma audiência com a Justiça do Trabalho.
“Nós não queremos criar tumulto na cidade. Agora, não é justo você ter seu direito ao voto e ser lesado”, disse Marcos Coutinho, candidato da chapa 3.
“[Não organizamos o protesto]. Esse protesto foi tirado ontem pela assembleia, que decidiu que ia parar. Nós temos que acompanhar”, afirmou Antônio Agripino, integrante da chapa 1.
Presidência conturbada
José Valdevan de Jesus encabeça a chapa 2
Reprodução
A chapa 4, encabeçada por Edivaldo Santiago da Silva, é apoiada por Crizinho, que até a última sexta-feira (17) ocupava a presidência do sindicato, mas ele foi substituído pelo antigo presidente, José Valdevan de Jesus, que atualmente encabeça a chapa 2.
Valdevan Noventa, como é conhecido, foi eleito deputado federal pelo PL, mas em 2020 foi cassado por abuso de poder econômico e perdeu os direitos políticos
Em 2022 passado, foi afastado também da direção do sindicato por uma decisão judicial, mas reassumiu na última sexta graças a uma liminar da Justiça Eleitoral de Aracaju, onde ele tinha disputado a eleição
Valdevan seria, então, o atual presidente do sindicato
No entanto, o próprio sindicato divulgou uma nota condenando as manifestações; quem aparece como presidente ainda é Crizinho
‘Não converso com bandido’, disse Nunes
Em entrevista ao SP2, Ricardo Nunes (MDB), prefeito da capital, disse que a prática utilizada pelos sindicalistas é covarde com a população. “Quando você tem um local que jogam fogo, você apaga e tira aquele fogo. Esse modelo que eles utilizam gera um transtorno tão grande que a gente tem um tempo para poder restabelecer a normalidade”.
“Eles fazem isso de uma forma fechada, entre eles, dentro desse grupo criminoso, pegam a cidade de surpresa. Não é a primeira vez. Semana passada, tivemos uma paralisação numa garagem da Viação Sudeste. Semana retrasada, na garagem da Viação Grajaú”, informou.
Questionado se teria convocado os grupos para uma conversa, Nunes disse que “não conversa com bandido”. “O que eu fiz foi pedir para fazer o boletim de ocorrência. Em todas as situações, a Prefeitura de São Paulo fez o boletim de ocorrência. Bandido tem que conversar com a polícia, não com o prefeito de São Paulo”, disse o prefeito.
Paralisação e depredações
Ao longo do dia, cerca de 17 veículos tiveram as chaves subtraídas, inclusive de um guincho. Quatro ônibus foram depredados
Terminais de ônibus da cidade de SP são fechados por causa de disputa em sindicato
Nove terminais de ônibus da cidade de São Paulo foram bloqueados na manhã desta terça (21) em protesto por conta de disputas internas para eleger o novo presidente do Sindmotoristas.
Por volta das 10h48, motoristas começaram a liberar os acessos. Às 12h18, de segundo a SPTrans, todos os terminais já tinham sido desbloqueados.
Segundo a Secretaria Municipal de Transportes, 530 mil passageiros em 368 linhas foram afetados.
Veículos foram estacionados para impedir a entrada e a saída dos terminais. Diversos ônibus também foram vandalizados, com pedras atiradas contra o para-brisa e pneus esvaziados.
Ônibus são atacados no terminal Dom Pedro II, no Centro de São Paulo, e no Terminal Santo Amaro, na Zona Sul.
Reprodução
Rodízio de veículos
Por causa das paralisações, a Prefeitura de São Paulo suspendeu o rodízio municipal de veículos na cidade neste terça-feira (21).
Segundo a Secretaria Municipal de Mobilidade e Trânsito (SMT), a suspensão do Rodízio vale para os horários de picos da manhã (7h às 10h) e da tarde (17h às 20h).
Terminal Parque Dom Pedro tem veículos com pneus esvaziados
Ilton Fernandes/TV Globo
Ônibus fecham entrada e saída de terminais em SP
Ilton Fernandes/TV Globo
Em nota, a SPTrans disse que deslocou suas equipes de campo e os guinchos do sistema de transporte municipal para prestar apoio à operação dos terminais da cidade e solicitou auxílio do policiamento para atuar nestes locais, e que irá registrar boletim de ocorrência contra os manifestantes.
Durante agenda nesta manhã, o prefeito Ricardo Nunes (MDB) disse que comunicou os atos ao delegado geral e pediu que a polícia tome providências. Ele classificou os bloqueios como um ato criminoso.
Terminal bloqueado por conta de protesto contra sindicato
Ilton Fernandes/TV Globo
Adicionar aos favoritos o Link permanente.