Comerciante que teria sido alvo de extorsão por serviço velado da PM é liberado em audiência de cust ódia; ele é suspeito de tráfico de drogas


O comerciante foi preso em flagrante, pois, foi encontrado 1kg de crack com ele. No entanto, o caso será investigado, já que há suspeita de que a droga pode ter sido ‘plantada’ pelos militares. PMs suspeitos de tentarem extorquir o comerciante foram presos e encaminhados para o presídio militar dentro do Comando Geral da PM, em São Luís.
Clarissa Carramilo / G1
A Justiça do Maranhão, por meio da 1ª Central de Inquéritos e Custódia de São Luís, concedeu liberdade provisória ao comerciante, que teria sido alvo de uma tentativa de extorsão por parte de policiais militares, no bairro da Cidade Operária, na capital maranhense.
O caso aconteceu na noite de quarta-feira (22), quando três PMs do ‘velado’ estavam na Cidade Operária e teriam abordado o comerciante por suposto crime de tráfico de drogas. No entanto, os policiais teriam oferecido a oportunidade de liberar o homem, caso ele pagasse R$ 200 mil aos militares.
Compartilhe no WhatsApp
Compartilhe no Telegram
A mulher do comerciante denunciou o caso à polícia, e os PMs acabaram sendo presos por suspeita de extorsão. O comerciante também foi preso, em flagrante, pelo crime de tráfico de drogas, pois, de acordo com a Polícia Civil, foi encontrado 1kg de crack com ele.
No entanto, o caso será investigado, já que há suspeita de que a droga pode ter sido ‘plantada’ pelos militares.
Na audiência de custódia, o juiz auxiliar de Entrância Final, Milvan Gedeon Gomes, ouviu o comerciante e acatou o pedido da defesa do conduzido, que requereu pela concessão da liberdade provisória do autuado, mediante a aplicação de medidas cautelares diversas da prisão.
Segundo a decisão, o comerciante deve comparecer mensalmente na Central Integrada de Alternativas penais e Inclusão Social (CIAPIS), para informar e justificar suas atividades e, também, fica proibido de ausentar-se da comarca sem prévia autorização judicial e sem comunicação à autoridade do local.
Caso o investigado não cumpra as condições determinadas, ele poderá ter a sua prisão decretada.
SSP-MA investiga crime de extorsão
Sobre a denúncia de que o comerciante preso teria sido alvo de extorsão por parte dos PMs, a Secretaria de Segurança Pública do Maranhão (SSP-MA) afirmou repudiar a atitude dos policiais e que todos foram encaminhados para o presídio militar dentro do Comando Geral da PM, em São Luís .
A SSP-MA também informou que já determinou a “rigorosa apuração dos fatos no âmbito das policiais Civil e Militar” (veja, no final da matéria, a nota da SSP-MA).
Segundo as investigações, os policiais envolvidos no caso são do serviço ‘velado’, um braço da Polícia Militar que trabalha sem fardamento ou veículos caracterizados. O mesmo serviço já foi alvo de várias críticas por causa de supostas investigações ‘paralelas’ à Polícia Civil.
Leia também:
Policiais militares velados do MA mataram o auxiliar da Polícia Civil Salomão Matos, aponta investigação
Após série de assassinatos, comissão investiga policiais que trabalham à paisana no MA
Confira a nota da SSP-MA sobre a suposta tentativa de extorsão por parte dos policiais militares:
“A Secretaria de Segurança Pública esclarece que não compactua com nenhum tipo de desvio de conduta dos agentes das forças de segurança pública e que já determinou rigorosa apuração dos fatos no âmbito das policiais Civil e Militar.
Esclarece que, na noite de ontem (22) ainda os três policiais foram autuados em flagrante delito pelo crime de extorsão, encontram-se detidos e após cumprimento dos trâmites formais serão recolhidos ao presídio do quartel do Comando Geral da PM, no Calhau, onde permanecerão à disposição da Justiça.
Por fim, a Secretaria de Segurança Pública repudia veementemente a postura dos policiais afirmando tratar-se de comportamentos isolados na corporação e que não condizem com o trabalho sério da Polícia Militar do Maranhão, instituição que tem cerca de dois séculos de bons serviços prestados à população do estado”.
Adicionar aos favoritos o Link permanente.