Chuvas no RS: após rachaduras surgirem no solo, prédio em Gramado pode cair, diz prefeitura; VÍDEO


Duas pessoas morreram no município e um bairro inteiro foi desalojado. Em um dos principais destinos turísticos do estado, prefeitura estuda um plano de trabalho para a situação. Após chuvas, rachaduras surgem no solo e prédio pode cair em Gramado, na Serra do RS
Em Gramado, na Serra do Rio Grande do Sul, dezenas de moradores tiveram que deixar suas residências após o surgimento de rachaduras no solo de diversos bairros do município durante as chuvas que caem sobre o estado desde o fim de semana.
✅ Veja como participar do grupo do g1 RS no WhatsApp
Em um deles, o bairro Três Pinheiros, todos os moradores foram desalojados, de acordo com a prefeitura e a Defesa Civil do município, e um prédio pode desmoronar a qualquer momento. Algumas residências que ficam nos bairros Piratini, Planalto e Linha Caboclo também foram interditadas. O solo segue se movimentando e há registros de novas rachaduras.
No sábado (18), duas mulheres morreram após uma residência ser soterrada na localidade de Linha Marcondes Baixa, também em Gramado. Conforme a prefeitura, as vítimas são Elisabeta Maria Benisch Ponath, de 51 anos, e a mãe dela, Lidowina Lehnen, de 86 anos. Quatro pessoas residiam no local e duas conseguiram escapar do soterramento.
Base do prédio, no bairro Três Pinheiros, em Gramado
Cid Guedes / Reprodução
Prédio corre risco de desmoronar
O ponto mais crítico no município, que fica a cerca de 105 quilômetros de Porto Alegre, fica em um condomínio de casas no bairro Três Pinheiros. Um prédio que fica em cima do morro está condenado e pode cair a qualquer momento (ver vídeo acima).
Devido à instabilidade do solo, segundo as autoridades, não é possível fazer a implosão da edificação sem correr o risco de causar danos maiores. Todos os moradores do bairro já saíram de casa. Segundo a prefeitura de Gramado, 31 pessoas estão em um abrigo montado no ginásio da Escola Senador Salgado Filho e o restante em casas de familiares e conhecidos.
“A calçada começou a ceder, as (casas) dos vizinhos dos lados começaram a rachar e também a casa de trás de onde a gente mora”, relata a pintora Elidiana de Campos, que está no abrigo.
Estado do asfalto em bairro de Gramado com o surgimento de rachaduras
Cid Guedes / Reprodução
A Defesa Civil de Gramado, técnicos contratados pela prefeitura e geólogos seguem acompanhando a situação dos riscos. De acordo com a prefeitura, os trabalhos técnicos seguem sendo feitos por três grupos diferentes de profissionais. Uma empresa contratada deve concluir o parecer e o plano de trabalho ainda nesta semana.
Nesta quarta, o Serviço Geológico do Brasil avaliou a situação no bairro Três Pinheiros, a Perimetral e a Ladeira das Azaleias, no bairro Planalto, onde há rachaduras no solo e risco de queda de barreiras, de acordo com a prefeitura. Um relatório será elaborado para direcionar a tomada de decisão do município.
Após suspensão, aulas são retomadas
As aulas na rede municipal, que ficaram suspensas na segunda (20) e na terça-feira (21), retornaram nesta quarta (22), com exceção da Escola Pedro Zucolotto, que fica no bairro Três Pinheiros. A previsão é de que os cerca de 150 estudantes sigam tendo aulas online até sexta-feira.
“Nós estávamos querendo voltar, mas, pelo que falaram, agora não tem condições. Vou ter que aguardar aqui até que consiga arrumar um dinheiro para alugar outra casa, né?”, lamenta a cozinheira Cristina Martins.
Prédio no bairro Três Pinheiros, em Gramado, pode desmoronar
Cid Guedes / Reprodução
VÍDEOS: Tudo sobre o RS
Adicionar aos favoritos o Link permanente.