Auditores fiscais paralisam atividades e causam fila de caminhões na fronteira entre Brasil e Bolívia

Categoria cobra questões salariais e o pagamento de benefícios por parte do Governo Federal. Greve dos auditores fiscais desencadeia fila de carretas em MS
Os auditores fiscais da Receita Federal de Mato Grosso do Sul paralisaram as atividades e causaram uma fila de caminhões e carretas na fronteira em Corumbá, na fronteira entre Brasil e Bolívia. A categoria aderiu à greve nacional que começou na segunda-feira (20) e cobra o cumprimento integral de um acordo firmado com o Governo Federal em 2016, que institui o pagamento do bônus de eficiência. (Veja o vídeo acima)
Devido à greve, a Receita Federal está mantendo a capacidade mínima para a liberação de cargas sensíveis, que incluem cargas perigosas, inflamáveis, perecíveis e medicamentos. Cerca de 600 a 800 veículos de carga passam pela linha internacional em Corumbá.
Segundo o Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Sindifisco) em Mato Grosso do Sul, a categoria reivindica o cumprimento integral do Plano de Aplicação do Fundo Especial de Desenvolvimento e Aperfeiçoamento das Atividades de Fiscalização para 2024, conforme aprovado pela portaria do Ministério da Fazenda 72/2023. Em linhas gerais, trata-se de um bônus caso os auditores cumpram uma série de requisitos.
O Sindifisco destaca que apesar do plano ter sido aprovado, o valor para o pagamento integral das bonificações não está previsto no orçamento da União. Para atender todo o território do Mato Grosso do Sul, a Receita Federal conta com 100 auditores fiscais.
Veja vídeos de Mato Grosso do Sul:
Adicionar aos favoritos o Link permanente.